TP OCDE: O que é um Local File?

TP OCDE: O que é um Local File?

2

Caros Leitores,

No artigo anterior explicamos de forma detalhada o Master File. Neste artigo explicaremos de forma mais detalhada sobre outro documento exigido pela OCDE: o Local File

O que é?

Para os governos nacionais, nem sempre fica claro o que acontece nas atividades de grandes empresas nos outros países em o grupo atua. No entanto, essas atividades podem afetar sua receita tributária devido à política de preços de transferência aplicada pelo grupo.

Na tentativa de obter mais transparência, a OCDE atualizou em 2015 os requisitos de documentação das Diretrizes de Preços de Transferência. Desde então, as empresas multinacionais devem fornecer informações sobre sua política de preços de transferência na forma de um arquivo mestre (Master File) e um arquivo local (Local File). Grandes empresas multinacionais também devem estar atentas ao CBCR (Country by Country Report).

TP OCDE LOCAL FILE

arquivo mestre (Master File) fornece uma visão geral de alto nível da estrutura e atividades de negócios globais do grupo multinacional. Ele também explica as políticas globais de preços de transferência.

arquivo local (Local File) deve suportar o master file. O arquivo local refere-se a um contribuinte específico em um país específico. Geralmente, é uma única entidade legal. Ele fornece uma visão geral mais detalhada das transações com partes relacionadas que são realizadas por esse contribuinte. Corresponde à intenção da política de preços de transferência dessas transações com o resultado real (financeiro).

O Arquivo Local, portanto, fornece às administrações tributárias locais as informações necessárias para determinar se os termos e condições das transações com partes relacionadas estão de acordo com o principio arm´s length.

Quando o Local File é obrigatório?

A obrigatoriedade do local file varia de acordo com o país da operação.

A OCDE não forneceu um limite específico para a preparação de um arquivo local. Portanto, é importante observar a legislação doméstica nos países em que a empresa opera. Em muitos países, nenhum arquivo local é necessário caso certos limites não sejam atingidos.

Por exemplo, na Coréia do Sul, você só precisa preparar um Arquivo Local se:

  • o volume de transações com partes relacionadas no exterior exceder 50 bilhões de KRW (US $ 42,5 milhões); e
  • a receita de vendas excede 100 bilhões de KRW (85USD 85 milhões).

Portanto, dependendo da legislação local, a preparação do Arquivo Local pode ser voluntária ou obrigatória. Quando obrigatório, deve ser considerado como um requisito de conformidade tributária.

Como resultado, sua primeira etapa seria avaliar cuidadosamente se a preparação de um arquivo local é obrigatória.

O que precisa ser incluído?

Conforme mencionado acima, o arquivo local tem como objetivo fornecer uma visão geral mais detalhada das transações com partes relacionadas que são realizadas por um contribuinte específico. Além disso, harmoniza as políticas de preços de transferência com o resultado real (financeiro).

Desta forma, isso se reflete nas informações que precisam ser incluídas.

Listamos abaixo um resumo dos pontos que devem ser abordados na preparação de um Local File:

a) Em relação à entidade local

  • Descrição da estrutura de gerenciamento da entidade local
  • Organograma local
  • Descrição das pessoas a quem a gerência local se reporta
  • Países em que esses indivíduos mantêm seus escritórios principais.
  • Descrição dos negócios gerais e da estratégia de negócios adotada pela entidade local. Isso inclui uma indicação de que a entidade local esteve envolvida em uma reestruturação comercial ou transferência intangível no presente ou no ano imediatamente anterior e uma explicação dos efeitos de tais transações;
  • Descrição dos principais concorrentes

b) Em relação as transações com empresas vinculadas

Para cada categoria relevante de transações com empresas vinculadas nas quais a entidade está envolvida, é necessário fornecer as seguintes informações:

  • Uma descrição do contexto em que essas transações ocorrem. Exemplos de transações controladas são: compra de bens, prestação de serviços, empréstimos, garantias financeiras e de desempenho, licenças de intangíveis e aquisição de serviços de fabricação.
  • A quantia de pagamentos e recebimentos intragrupo para cada categoria de transações controladas envolvendo a entidade local (ou seja, pagamentos e recebimentos de produtos, serviços, royalties, juros, etc.) discriminados por jurisdição fiscal do pagador ou destinatário estrangeiro.
  • Uma identificação das empresas associadas envolvidas em cada categoria de transações controladas e o relacionamento entre elas.
  • Cópias de todos os acordos relevantes entre empresas concluídos pela entidade local.
  • Uma comparabilidade detalhada e análise funcional do contribuinte e das empresas associadas relevantes em relação a cada categoria documentada de transações controladas, incluindo quaisquer alterações em comparação com anos anteriores.
  • Uma indicação do método de preço de transferência mais adequado em relação à categoria da transação e os motivos para a seleção desse método.
  • Uma indicação de qual empresa associada é selecionada como a parte testada, se aplicável, e uma explicação dos motivos dessa seleção.
  • Um resumo das premissas importantes feitas na aplicação da metodologia de preços de transferência.
    Se relevante, uma explicação dos motivos para realizar uma análise plurianual.
  • Uma lista e descrição de transações não controladas comparáveis ​​selecionadas (internas ou externas), se houver, e informações sobre indicadores financeiros relevantes para empresas independentes contadas na análise de preços de transferência, incluindo uma descrição da metodologia de pesquisa comparável e a fonte dessas informações.
  • Uma descrição de quaisquer ajustes de comparabilidade realizados e uma indicação de se foram feitos ajustes nos resultados da parte testada, nas transações não controladas comparáveis ​​ou em ambas.
  • Uma descrição dos motivos para concluir que as transações relevantes foram precificadas com base na aplicação do método de preço de transferência selecionado.
  • Um resumo das informações financeiras usadas na aplicação da metodologia de preços de transferência.
  • Uma cópia dos documentos unilaterais e bilaterais / multilaterais existentes
  • Acordos de preços antecipados (APA) e outras decisões fiscais das quais a jurisdição fiscal local não é parte e que estão relacionadas às transações controladas descritas acima.

c) Informações Financeiras de Suporte

  • As contas financeiras anuais da entidade local para o exercício fiscal em questão. Se existirem declarações auditadas, elas devem ser fornecidas e, caso contrário, devem ser fornecidas declarações não auditadas existentes.
  • Cronogramas de informações e alocação, mostrando como os dados financeiros utilizados na aplicação do método do preço de transferência podem estar vinculados às demonstrações financeiras anuais.
  • Cronogramas resumidos de dados financeiros relevantes para comparáveis ​​usados ​​na análise e as fontes das quais esses dados foram obtidos.

Pontos de atenção ao preparar o local file

Ao preparar seu arquivo local, é recomendável levar em consideração o seguinte:

  • Verifique se o arquivo local é consistente com o arquivo mestre e com qualquer outra documentação de preços de transferência para evitar perguntas das autoridades fiscais locais.
  • Verifique se o arquivo local está disponível a tempo de evitar multas. A idéia da documentação de preços de transferência é mantê-la atualizada. Não deve ser feito no final do ano como contas regulares anuais (ou pior, quando as autoridades solicitarem).
  • Certifique-se de atualizar as informações financeiras anualmente
  • Verifique se o arquivo local é consistente com as informações financeiras.

Conclusão

Este artigo teve o objetivo de aprofundar os conhecimentos relativos ao local file que faz parte da documentação de preços de transferência constante na ação 13 do BEPS.

Conforme mencionado no artigo anterior relativo a documentação de preços de transferência da OCDE, o local file não está regulamentado no Brasil, e só deve ser aplicado nos países que o exigirem.

E você, acha que o Local File passará a ser exigido no Brasil?

Você gostaria que o Local File fosse implementado no Brasil?

Dê sua opinião!!

Silvio Petrini

Com mais de uma década de experiência na área de preços de transferência, tracei como objetivo criar uma comunidade para discussão, disseminação e desmistificação do tema de preços de transferência no Brasil. Através deste blog, trago com uma linguagem leve e didática, desde os principais conceitos, até assuntos mais complexos envolvendo o tema. Não deixe de se inscrever, curtir, comentar, sugerir e criticar. Vamos juntos criar a maior comunidade de TP no Brasil.

Deixe uma resposta